Please reload

Posts Recentes

Mães ansiosas: vivendo a maternidade real

O dia das mães está aí e o que mais vemos são frases, muitas vezes publicitárias, que implicam à experiência de ser mãe algo quase sobrenatural. Um amor muito grande e um prazer enorme em vivenciar esse momento, quase como se não houvessem problemas.

 

Sim, a maternidade, para muitas mulheres, é percebida como uma realização pessoal. Muito se foi pensado e planejado para esse momento. E de fato, há muito amor e muito prazer em maternar. Mas há também muita ansiedade.

E quando ela aparece, como lidar com ela?

 

 

A ansiedade pode aparecer muito antes da chegada do bebê. Ao descobrir que está grávida, a mulher está sujeita a um processo ansioso que pode perdurar durante toda a gestação. Os sintomas ansiosos podem aparecer por uma tendência da própria mulher, mas também por um processo social. Há muitas cobranças implícitas na experiência de ser mãe. E o medo de não ser boa o suficiente vem com tudo.

 

“Será que eu vou ser uma boa mãe? Será que meu filho vai gostar de mim? Será que eu vou conseguir amamentar? E meu trabalho? Meu casamento? Onde fica tudo isso?”

 

Quanto mais perguntas, mais a ansiedade toma conta da cabecinha das mulheres.

 

E aí, depois de nove meses, o bebê decidi vir ao mundo. Talvez, o momento mais esperado desde a descoberta da gravidez. Mas e a mãe, como será que ela está? Muito ansiosa!!!

 

“Será que vai correr tudo bem com o parto? Ele vai nascer saudável?”

 

Ufa!!

São muitas dúvidas, não é mesmo?

 

E depois que a criança nasce, a ansiedade pode acompanhar essa mãe por muito tempo. Até porque o cuidado e a ansiedade muitas vezes andam juntos. E muitas mães acabam confundindo os sentimentos. O amor de mãe é imenso, mas ele não deve ser sufocante.

 

Por isso, mamães e futuras mamães, decidi escrever esse texto para quebrar alguns mitos que muitas vezes estão associados à experiência da maternidade.

E também para tranquilizá-las, pois vocês não estão sozinhas.

 

Pouco se fala sobre a real experiência materna. Como disse, é muito amor, mas também é muito cansaço, muita dúvida, muito medo e muita entrega!

Claro, de forma nenhuma quero desencorajar vocês de viverem a maternidade. Quero apenas conscientizá-las da realidade, que nem sempre é tão bonita como uma propaganda.

 

A gestação mexe muito com o corpo da mulher, com seus hormônios. É muita mudança em pouco tempo – sim, nove meses passa voando. E é normal a mulher se sentir esgotada emocionalmente quando o bebê nasce.

Muitas mulheres relatam dificuldade em se relacionar com a criança. Muitas têm medo de dar o primeiro banho, de amamentar. Ou seja, é muita coisa acontecendo no psicológico de uma recém-mãe.

 

Algumas mulheres acabam desenvolvendo melancolia pós-parto (ou “baby blues”) e também a depressão pós-parto. A primeira é mais branda, dura alguns dias ou semanas e se caracteriza por tristeza, choro e desânimo. De 40 a 60% das mulheres podem ser afetadas por esses sintomas. Normalmente, elem desaparecem espontaneamente após a adaptação à nova situação e ao encaixe nas novas rotinas.

Já a segunda é mais séria e os sintomas se prolongam por mais tempo. Nesse caso, a mulher não consegue realizar tarefas básicas da rotina, tem muitas vezes dificuldade em se vincular emocionalmente com a criança e não consegue se adaptar sozinha à nova realidade, sendo recomendado acompanhamento médico e até mesmo medicamentoso.

 

Ou seja, ser mãe não é tarefa fácil, e continuar divulgando essa mensagem por aí acaba trazendo ainda mais ansiedade para as mulheres que já viveram ou querem viver a maternidade. Precisamos ser realistas e mais abertos para falarmos sobre esse assunto. Uma mulher consciente das dificuldades, com certeza conseguirá viver a experiência da maternagem com mais prazer e menos culpa.

 

 

Por isso, quero desejar um feliz dia das mães para todas vocês! E deixar aqui meu reconhecimento por tudo o que vocês fazem e passam diariamente. O caminho não é fácil, mas com certeza é importante e lindo! E que essa beleza seja cada vez mais natural e, principalmente, real.

Share on Facebook
Share on Twitter
Clique aqui se gostou do texto!
Please reload

Siga
Procurar por tags
Please reload